Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

20/03/2017

Pesquisadores da UEM descobrem mais de 50 novas espécies no Rio Paraná

Nos últimos 30 anos, pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Noroeste do Estado, encontraram mais de 50 novas espécies de organismos e micro-organismos no Rio Paraná. A mais recente descoberta, publicada no periódico científico Acta Protozoologica no início deste ano, foi a ameba (animal unicelular) Gandalfi, que ganhou esse nome por ter a habilidade de construir uma carapaça para se proteger, bem parecida com o chapéu pontiagudo do conhecido bruxo do Senhor dos Anéis, série de novelas criadas pelo escritor inglês J.R.R Tolken (1892-1973).
O biólogo Carlos Eduardo Aguiar Soares, mestre em Ecologia e Ecossistemas Aquáticos pela UEM, foi um dos responsáveis pelo achado. “Encontrei a espécie enquanto fazia pesquisas para a universidade no Rio Paraná no ano de 2012. Nunca tinha visto nada igual. Assim que descobri, fiz a análise óptica do microrganismo e revisei toda a literatura científica atrás de algo parecido”, conta.
Quando percebeu que o micro-organismo era novo, Soares enviou uma amostra para Daniel J. G. Lahr, professor do Departamento de Zoologia do IB-USP, que trabalha com taxonomia, nome dado ao processo de descrição de novos organismos. Lahr, na ocasião, disse que o achado poderia ser algo novo, mas que ele ainda precisava de mais exemplos. Nos anos seguintes, no entanto, ele recebeu outras amostras de pesquisadores que encontraram micro-organismos parecidos em Minas Gerais, Tocantins, Amapá e Rio de Janeiro.
Com um grande volume de amostras em mãos, ele e sua equipe conseguiram descrever a nova criatura e colocá-la na lista de espécies catalogadas pelo ser humano.
MUNDO DA AMEBA – As amebas são organismos com apenas uma célula. A Gandalfi faz parte do gênero Arcella, um dos maiores grupos de tecamebas – nome dado aquelas que têm carapaças para se proteger. Em todo o planeta, existem entre 30 a 40 linhagens desses micro-organismos.
A Gandalfi se diferencia de suas irmãs amebas porque ela tem uma forma de funil até então não vista na ciência. Com 81 micrômetros de diâmetro e 71 micrômetros de altura, sua cor varia de amarelo claro e marrom.
Ela também é única e se concentra apenas aqui pelas bandas do Hemisfério Sul. “Há fortes evidências de que a distribuição geográfica da espécie é restrita a região, porque os ambientes do Hemisfério Norte já foram estudados com muito mais profundidade”, disse Lahr à agência de notícias da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), que também colaborou com o estudo.
DESCOBERTAS – A nova ameba foi descoberta no Rio Paraná, no trecho entre a Usina Hidrelétrica de Porto Primavera e a Usina Hidrelétrica de Itaipu. A região, segundo o pesquisador Luiz Felipe Machado Velho, do Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura (NUPELIA) – grupo focado de pesquisas – é rica em biodiversidade. “É um local especial e com muita vida. Temos dedicados os últimos 30 anos para conhecer todos os aspectos ecológicos daqui”, conta.
Tão especial, que foi considerada área prioritária de conservação pela Unesco. Velho, que também foi orientador de Soares no mestrado, conta que a região ainda tem muito a ser explorada. “Existem muitas espécies por aqui. Sabemos que são novas, mas ainda precisam ser descritas. Tem peixes, parasitas e muitos outros micro-organismos”, ressalta.
BOX 1
Nova espécie ganha nome de núcleo de pesquisa
Uma nova espécie de Ostracoda – crustáceo pequeno com comprimento que varia de 0,4mm a 4mm – encontrado em sedimentos e plantas aquáticas do Rio Paraná ganhou, em 2013, o nome de Nupelia, nome do grupo de pesquisa da UEM. “É comum que o grupo ou a pessoa que descobriu uma nova espécie seja homenageada na hora em que especialistas dão nomes à nova criatura”, diz o pesquisador Luiz Felipe Machado Velho.
Ele próprio foi homenageado por ter descoberto novas criaturas nas profundezas do Rio Paraná. Outra nova espécie de Ostracoda, que Velho encontrou em sedimentos e plantas aquáticas do Rio Paraná, recebeu o nome de Velhoi.
Quando o especialista em determinado nicho (protozoários, mamíferos, répteis) recebe amostras de uma nova espécie, ele se junta com quem fez a descoberta, faz o registro, desenha, fotografa e descreve o achado, sempre dando ênfase aos aspectos que a diferenciam das demais. O principal autor é o responsável por escolher o nome da nova criatura.
Em dezembro de 2016, por exemplo, cientistas que encontraram um novo tipo aranha na Índia a deram o nome de Gryffindori em homenagem a Godric Gryffindor, personagem de Harry Potter, série escrita pela escritora britânica J. K. Rowling que atraiu milhões de fãs pelo mundo.
Box 2
UEM recebe conceito 4 no ENADE
Criada em 1969, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) é uma das sete instituições de ensino superior pertencente ao Governo do Paraná. É posicionada entre as mais importantes e conceituadas do Brasil. Neste mês de fevereiro, obteve conceito 4 - em uma escala que varia de 1 a 5 - no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE), avaliação do MEC que avalia o desempenho dos cursos das instituições nacionais.
Em janeiro, ficou na 27ª posição do Ranking Web of Universities do Brasil, sistema de classificação internacional criado por uma instituição espanhola que avalia as universidades com base na presença na web, na visibilidade e no impacto (citações) de suas publicações online. No mesmo ranking, a UEM ficou em 48º lugar na América Latina e em 1.199ª em todo o mundo como a universidade mais pesquisada.
HISTÓRIA - A UEM tem 20 mil alunos espalhados pelos campus em Maringá, Cidade Gaúcha, Cianorte, Goioerê, Ivaiporã e Umuarama. A universidade oferece dezenas de cursos de graduação, além de seis outras na modalidade a distância. Hoje, são ofertadas anualmente cerca de 3 mil vagas, sendo 20% delas destinadas a cotas sociais.
A instituição também tem 25 cursos de doutorado e 44 de mestrado. Dos programas existentes, dois se destacam com conceito 6 na Capes, dez com nota 5 e 14 com qualificação 4.
NUPELIA - O Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aqüicultura (Nupelia), criado em 1982, é um dos grupos de pesquisas da UEM, tendo como áreas de atuação a ecologia,a zoologia, a botânica e a genética. A equipe conta com 28 pesquisadores, 50 estagiários dos cursos de graduação e 150 estudantes de pós-graduação realizando pesquisas.

Arquivo anexado:

Áudio:

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.